Hélio piónico: nem só de eletrões está a nuvem atómica cheia

A colaboração da ASACUSA mudou-se temporariamente do CERN para Zurique, onde produziu pela primeira vez átomos exóticos de Hélio em que um eletrão é substituido por um pião negativo, uma partícula composta de um quark down e um anti-quark up.
A equipa, que publicou agora os seus resultados na revista Nature, dedica-se normalmente a produzir átomos de antimatéria como o anti-hidrogénio, e a estudar a sua estrutura. Desta vez produziram átomos com um núcleo de hélio (hélio-4), um electrão e um pião negativo num nível de energia elevado. Estas são as primeiras medidas de espectroscopia com um átomo exótico contendo um mesão (uma partícula constituída por um quark e um antiquark). O objetivo é medir com precisão a estrutura deste átomo exótico, procurando fenómenos físicos não previstos pelo Modelo Padrão da física de partículas.
Mais informação: notícia do CERN, ASACUSA

Publicado/editado: 06/05/2020

© 2019 Divisão de Física de Partículas